Home » Nacionais » Yamaha

Yamaha XTZ 250 Ténéré 2012

Qualquer um que tenha interesse em comprar uma moto que pode ser usada em vários terrenos sabe que pode investir na Ténéré 250 2012.

Ténéré 250

Desde 1988 quando as grandes competições esportivas reuniam as grandes marcas de motocicleta que a Yamaha já fazia o modelo Ténéré, com nome estranho até mesmo para o país de origem ela não ficou apenas no papel e nas competições, conseguiu cruzar o oceano e desembarcar no Brasil onde foi nacionalizada. A motocicleta era bem avantajada e naquele período tinha como principal fator a potencia já que o motor daquela moto era de 600 cilindradas. Um modelo novo foi lançado para reviver a boa imagem que tinham as motos de competição, mas uma diferença já é vista, o motor não é de 600 cilindradas, mas sim de 250 e parece ser um fator crucial para quem deseja investir em uma moto legal pro dia a dia e para aventuras.

XTZ 250 Ténéré

Não tem como iniciar a conversa sem citar que em todas as condições a moto se comporta muito bem, o destaque fica para o conforto e também para a agilidade que ela demonstra em qualquer lugar por onde esteja rodando. Como as motos de cidade não oferecem tanto conforto para os motociclistas, essa é uma boa opção com amortecedores que permitem conduzir por bastante tempo, o banco é macio e a forma com que o piloto fica sentado é bastante confortável. Em dias de vento forte contra a moto o para-brisas joga-o para cima e evita que ele bata diretamente em seu peito, essas características estão presentes na Ténéré 250 e o piloto não sente os movimentos bruscos e nem mesmo as condições climáticas desfavoráveis.

Detalhe do tanque

Design e motor

Apesar de ser mais fraca do que suas irmãs mais velhas, essa moto mostra bastante autonomia na aceleração, com seus 21 cavalos de potência carregando 155kg mais o peso dos passageiros ela se sobressai. Como é típico da Yamaha essa moto tem um câmbio que funciona de uma maneira bem atraente, ele é resistente e tem as marchas justas. Na aparência ela segue a tendência das novas motos brasileiras, e só fica devendo com a roda dianteira que não é tão larga, se fosse poderia oferecer ainda mais conforto para o condutor. Seu farol pode ser acionado apenas um, mas quando exigido acende também o do outro lado iluminando o caminho a seguir com muita perfeição.

Detalhe do farol

Além das peças já citadas não podemos nos esquecer do painel que tem o velocímetro e as informações no digital, as rotações do motor ficam por conta do famoso ponteiro dentro do relógio analógico. É importante saber escolher sua moto na hora de pegar uma estradeira, por isso faça um testride e descubra mais a respeito dela. Uma coisa é certa até mesmo os pilotos experientes se surpreenderam.

Tags: , ,
Publicado por Andre
Revisado em 12/12/2012

Compartilhar